quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Calendário

Calendário
por Caue Reigota
Redigido por Luiz Prado
Brasil, 2013



Este é um jogo para 2 até 12 participantes. Aqui, cada pessoa representa um mês do ano - isso mesmo! - numa reunião para decidir sobre a criação de um novo feriado.

Comecem sorteando o mês de cada um - vocês podem usar cartas de baralho ou tarô ou simplesmente escrever os nomes dos meses em pedaços de papel. A reunião acontece na casa do mês vigente - se estamos em setembro, vocês estão na casa de Setembro.

Durante o jogo, vocês irão debater qual feriado será criado e em qual mês ele deve estar. Cada um pode defender o feriado para si mesmo ou advogar em favor de outro mês. Façam alianças, criem intrigas ou fomentem a discórdia, conforme acharem melhor. Pensem nos feriados que já existem e usem-nos como matéria de argumentação. Lembrem-se que existem feriados religiosos, cívicos, internacionais, municipais, etc.

Procurem também pensar no comportamento e na personalidade dos meses. Como fevereiro seria se ele fosse uma pessoa? Um mês sem feriados é mais sério do que os outros? Como as estações do ano afetam cada um deles?

O jogo termina quando vocês chegarem a um acordo sobre o novo feriado. Depois disso, reservem uns minutos para falar sobre a experiência.


sábado, 24 de maio de 2014

Breves Encarnações [2a versão]

Breves Encarnações (link)
um role-playing poem por Goshai Daian
Brasil, 2014

Breves Encarnações é um poema de horror doméstico para 3-5 pessoas. Cada uma delas interpretará, respectivamente, o Papai, a Mamãe e o Bebê no dia mais triste de suas vidas. Quem representa o Bebê também é responsável por introduzir e conduzir o jogo. Breves Encarnações é livremente inspirado no conto quase homônimo de David Foster Wallace e um role-playing poem por Goshai Daian.


domingo, 18 de maio de 2014

Um Pequeno Jogo à Mesa

SUGESTÃO DE UM PEQUENO JOGO À MESA (link)
por Goshai Daian
Brasil, 2014



Vocês são camponeses decidindo se lutarão ou não a favor de um Lorde contra o feudo vizinho.

O objetivo do jogo é explorar os afetos e desafetos entre nobres e camponeses. Definam um pano de fundo comum.

Depois cada um escreve secretamente num papelzinho um fato relativo ao governo do Lorde, bom ou ruim. Sempre que alguém pedir "me passe o sal" (ou outra expressão combinada previamente), pega um dos papeizinhos, lê pra si e introduz aquilo na conversa. Quando a refeição acabar é hora de decidir

(inspirado no Ouça no Volume Máximo, de Luiz Prado).

sábado, 18 de janeiro de 2014

Álcool

Álcool
por Luiz Prado
Brasil, 2014


Álcool

Um larp por Luiz Prado

Este é um jogo de representação sobre o significado do álcool em nossas vidas. Participam de duas a cinco pessoas e você precisa de uma mesa, uma cadeira e um copo com a bebida alcoólica que desejar. Evite problemas legais e jogue apenas com maiores de idade.

Um dos participantes senta-se à mesa, diante do copo. Ele representará um personagem que reflete se deve ou não tomar aquela dose. Por motivos que serão construídos ao longo do larp, bebê-la significa a continuidade de certo modo de vida que ele estuda abandonar. Por isso hesita, e as memórias da relação com o álcool vêm a sua mente.

domingo, 5 de janeiro de 2014

Feitos pra “sangrar”, comentário de Goshai Daian


"Os larps nórdicos buscam se distinguir dos americanos, entre outras coisas, por uma visão artística: o larp como “algo mais que entretenimento”, algo capaz de mexer com seus jogadores. E uma maneira de fazer isso é administrar o que eles chamaram de bleed - a transferência entre emoções e pensamentos do jogador para o personagem e vice-versa. Às vezes esse é o objetivo do jogo. E tem um tipo de jogo que foca exatamente nisso."

Leia o comentário completo de Goshai Daian, no blog RPG a La Carte.